terça-feira, 11 de dezembro de 2012

Papai-Doula


Você sabe o que é uma Doula?

Sabe o que ela faz?
Sabe se é de comer, beber, fumar ou cheirar?

Eu também não sabia, até engravidar.
Resumidamente, Doula é uma acompanhante da parturiente, também conhecida como “mamãe”. Não é médica nem alguém da equipe responsável pelos procedimentos médicos, mas pode ser alguém tão importante quanto qualquer um destes.

Em tempos de combate à violência obstétrica, a Doula é alguém que atua exatamente no sentido contrário às agressões que muitas mulheres sofrem no momento de trazerem ao mundo seus bebês. O seu papel é dar suporte emocional à mamãe e também ao papai, que muitas vezes não sabe como agir quando é chegada a hora de pegar seu filhote nos braços. Normalmente as Doulas são fisioterapeutas, psicólogas, professoras de yoga que fazem o curso específico de formação em Doula, para que estejam capacitadas para acompanharem as futuras mamães antes, durante e depois da chegada dos seus filhotes. Segundo o site www.doulas.com.br, o papel das Doulas é:
“Antes do parto a ela orienta o casal sobre o que esperar do parto e pós-parto. Explica os procedimentos comuns e ajuda a mulher a se preparar, física e emocionalmente para o parto, das mais variadas formas.

Durante o parto a doula funciona como uma interface entre a equipe de atendimento e o casal. Ela explica os complicados termos médicos e os procedimentos hospitalares e atenua a eventual frieza da equipe de atendimento num dos momentos mais vulneráveis de sua vida. Ela ajuda a parturiente a encontrar posições mais confortáveis para o trabalho de parto e parto, mostra formas eficientes de respiração e propõe medidas naturais que podem aliviar as dores, como banhos, massagens, relaxamento, etc..

Após o parto ela faz visitas à nova família, oferecendo apoio para o período de pós-parto, especialmente em relação à amamentação e cuidados com o bebê.”

 As Doulas especializam-se em massagens próprias para o relaxamento das gestantes, procuram orientar a mamãe e o papai sobre como será o momento do parto, informar-lhes sobre detalhes que talvez eles não tenham pensado, mas que viverão a partir de agora.
Não é um profissional imprescindível, mas é alguém que pode sim auxiliar a tornar a experiência do nascimento num momento realmente especial e inesquecível, atuando desde algum relaxamento na hora do parto para a mamãe, como ajudar o papai a contribuir na hora da amamentação.

Por que estou trazendo este assunto a tona? Simples, por que resolvi fazer o curso de Doula!
Sim, serei um Papai-Doula da minha esposa!

Não que eu ache que uma profissional externa não possa fazer esse papel, claro que pode, elas se preparam para isto, mas acontece que eu também quero me preparar!
Se a intenção é dar suporte psicológico, emocional e também físico a mamãe, ninguém melhor do que o papai que estará ao seu lado durante todo o processo, toda a bela caminhada da gravidez!

As Doulas são importantes, por que a maior parte dos homens não participa como poderia da gravidez, atua como “engravidador”, quando o ideal seria atuar como “grávido”. Mas não digo isso para rotular os homens de insensíveis, cruéis e indiferentes a este momento. Se agimos assim, é por que culturalmente foi assim que nos ensinaram a agir. Os homens só aprendem a trocar fraldas depois que seus filhos nascem – quando aprendem – por que cresceram ouvindo que brincar de boneca é coisa de menina ou mariquinha. Não podiam brincar de casinha, só de carrinho, de bola e de polícia e ladrão. E, quando brincávamos de casinha, fazíamos o papel do papai, que era o de sair, trabalhar e voltar para jantar. Nunca trocar a fralda do bebê-boneca das meninas.
Os meninos tornam-se adultos ouvindo que homem não chora, aí acabam agindo com frieza, por que esse é o jeito que lhes parece ser forte, que é o jeito que homem tem que ser. Duro, insensível e sem glândulas lacrimais.

É tanta coisa dita por tanto tempo, que na hora de tornarem-se pais, não sabem como agir. A mulher precisa de apoio, carinho, suporte, paciência, mas nunca foi dito que deveríamos saber isso tudo, esqueceram de nos ensinar isso.
Mas nem tudo está perdido, amigos! Não nos ensinaram, mas nada nos impede de corrermos atrás de prejuízo e aprendermos agora! Temos nove meses para isso, amigos, dá tempo! O negócio é corrido, mas dá tempo!

Tenho estudado muito, tanto através de livros quanto da informação de amigos que tiveram filhos há pouco tempo. Claro que não irei impor a minha participação como Doula, até por que talvez, por mais que eu estude, eu também precise desta ajuda na hora da chegada da nossa menina. Sei que estarei emocionado, feliz, inseguro e eufórico, tudo na mesma proporção, tentarei fazer o meu melhor, mas se quando for chegada a hora, eu perceber que não estou preparado para oferecer à Priscilla o apoio que ela precisará, sem dúvidas procuraremos alguém que esteja pronto. Contudo, entretanto, porém e todavia, creio que terei o equilíbrio emocional necessário, estou me preparando para isso.
Farei o curso, tão logo esteja frequentando as aulas contarei para vocês os aprendizados e minha conclusão, se posso realmente ser a pessoa indicada para desempenhar este papel de Papai-Doula.

Para quem quiser maiores informações sobre o assunto, aqui tem um site legal sobre o tema: www.doulas.com.br

 

3 comentários:

Nayana. disse...

nha, que bonitinho!! como ficaste sabendo do trabalho delas, fio?

torcendo aqui pra seres um papai doula bem legal, viu. Mas, caso a emoção te domine, eu tenho uma amiga formada, se precisares do contato, ela é ótema :)

beijo pros três! :*

Bruna Rafaella disse...

Que legal, não sabia disso...
Doula, me lembra Do-lar!!
Parabéns, sei que você será um Grande Pai,
Adorei!!!

Karla Kinhirin disse...

Conhecem o parto orgasmico? Que vocês dois possam desfrutar do parto tanto quanto desfrutaram de cada momento de "criação" da Clarinha :)
Beijo grandão!

http://arautodofuturo.wordpress.com/trilhas-de-guerreiros/parto-orgasmico/