quinta-feira, 25 de fevereiro de 2010

Tentativa de estupro - CENAS REAIS!

Tire as crianças da sala, cardíacos, afastam-se, não recomendável à mulheres grávidas e/ou sensíveis.

As cenas abaixo são fortes, cenas reais de uma tentativa de estupro!



Tá certo que o cara era um cachorro, mas não dá para negar que a menina era uma galinha!

quarta-feira, 24 de fevereiro de 2010

A confissão



Um peregrino, a caminho de Fátima, pernoita na casa de uma viúva deslumbrante.
No meio da noite, a viúva o procura, toda nua!

Ele, com medo de pecar, foge e vai confessar-se.

O padre diz-lhe:

_ Volte para casa e coma 5 kg de capim.

_ Mas Sr. Padre, eu não sou um cavalo!

_ Mas é burro! Primeiro deveria ter comido a viúva e depois vindo confessar!

terça-feira, 23 de fevereiro de 2010

Como negociar o seu salário


- Madame, estou precisando de um aumento.

A senhora muito chateada pergunta:

- Maria, porque você acha que merece um aumento? Você só está aqui há 3
meses.

- Madame, há três razões para que eu mereça um aumento:Em primeiro lugar eu passo as roupas melhor do que a senhora.

- Quem foi que disse isso?

- Foi o patrão quem disse. Em segundo lugar eu cozinho muito melhor do que a senhora.

- Que absurdo, quem disse isso?

- Foi o patrão quem disse. Em terceiro lugar eu sou melhor, mas muito melhor e mais gostosa na cama do que a senhora.

- FILHO DE UMA GRANDESSÍSSIMA PUTA!!! Foi meu marido quem disse isso também?

- Não madame, foi o motorista...

- QUANTO VOCÊ QUER DE AUMENTO ???

segunda-feira, 22 de fevereiro de 2010

Enquanto isso, no sul da ilha...

Disseram que o Leão ia papar o Coelho, mas as imagens mostram uma versão diferente:



O Marcelo Dourado fez toda a diferença na final do turno do Catarinense:



E foi lançado no sul da ilha, o novo hito do momento: "AMARELETION", os jogadores do sul da ilha mostram como são os passos dessa nova dança:



E o casal do Jornal Nacional também não poderia deixar de cobrir este grande fato esportivo:



Ôôôôôô, o campeão travooouuu:



Tenham todos uma ótima segunda feira!

quinta-feira, 18 de fevereiro de 2010

Alôôôôô Comunidaaaaade!!!!!!


Aaaaahhhh moleeeeque...
Tá bonito de ver
Todo mundo sambando
Batendo na palminha da mão
Vai, vai, vai, vai!
Chora, chooooooraaaaa cavaaaaaco!!!
Se orguuuuuulhaaaaa comunidade que essa é tua escoooola, esse é teu barraaaacããããoooo!!!

Para aproveitar o restinho de espírito carnavalesco que ainda paira no ar, vamos a algumas análises importantíssimas sobre as festividades de Momo que (para minha mais profunda e sincera alegria) terminaram.

Dos Sambas-Enredo:

Um samba enredo só é bom de verdade se o título do samba for maior do que a própria letra do samba-enredo, por exemplo: “Saravá meu pai Ogum-megê: As aventuras brasileiras sobre a ritualidade mística da influência da África setentrional na égide dos orixás e entidades do candomblé de raiz na batuta do Babalorixá Pai Cleosvaldo do terreiro de Feira de Santana até Biguaçu, passando por Guaxupé e Iomerê”

Um título desses é sucesso garantido na avenida!

Dos carnavalescos:

Carnavalesco que é carnavalesco viaja o mundo, não importa o tema, ele viaja pelo mundo, mais especificamente pela África, Ásia e um tatinho da Europa. Se o tema do samba enredo é a favela da rocinha, por exemplo, o Carnavalesco vai explicar: “Nossa escola esse ano na avenida vai explicar a importância da favela da Rocinha na cultura brasileira, fazendo uma viagem pela África, passando por Egito, buscando na cultura grega e romana com um pouco da magia Indiana, sobrevoando Vigário Geral e favela da Dona Marta até chegar na Rocinha.”
Se o tema for Futebol, a explicação: “Vamos falar da magia do futebol para o brasileiro, iniciando por uma viagem mística na África, passando pelo Egito, pedindo as bênçãos dos deuses gregos, brindando com a magia da Índia até chegar aos gramados do Brasil.”
Resumindo, não interessa o assunto, sempre vai ter alguma coisa no desfile falando da África, da Ásia, do Egito, da Grécia. Ao mesmo tempo.

Das madrinhas de bateria:

Todas elas nasceram na comunidade. Mesmo quando são gaúchas, e a comunidade fica em Vila Isabel. Elas cresceram no barracão da escola, e ai de quem contestar!

Das passistas:

Para que uma mulher seja aprovada como passista, saber sambar é supérfluo, desnecessário. Importante mesmo é ter em seu currículo um atestado que comprove a sua condição de sub-celebridade semi-esquecida. Pode ser algo como ter ficado dançando no fundo do cenário num episódio da turma do Didi, enquanto o Didi derrubava um balde de água na cabeça do Jacaré. Hoje em dia isso já é notoriedade suficiente para se conseguir um bom posto de passista. Ex-BBB’s têm na avenida uma boa possibilidade de dar um último suspiro de fama, uma última tentativa de diferenciar-se da gigantesca massa anônima da qual sempre fizeram parte, e de onde nunca deveriam ter saído. Numa dessas até descolam um novo ensaio em revistas de mulher pelada, mas é preciso cuidar na escolha da fantasia. Ela tem que mostrar o suficiente para que dê vontade de ver mais, mas não pode mostrar demais, a ponto de já ter aparecido tudo o que tinha para ser visto.

Das fantasias:

Toda fantasia é cheia de significado. Uma mulher vai aparecer na televisão explicando que a sua fantasia representa a Rainha Elizabete, numa concepção africana com a benção dos faraós egípcios chegando à Inglaterra onde Charles Muller idealizou o futebol, tema do samba enredo. Você olha para a tal mulher enfiada na fantasia, e percebe que a fantasia se resume à um punhado de lantejoulas. Nas sandálias.
Só nas sandálias.
E talvez você se pergunte: “quando foi que a Rainha Elizabete saiu por aí vestindo apenas uma sandália cravejada de lantejoulas?” E vai ficar feliz, por não se lembrar de tal ocasião.
Comentário bastante comum, também, é essas sub-celebridades sem-esquecidas aparecerem uma semana antes do carnaval em um desses programas de fofocas do meio da tarde, dizendo que neste ano vai utilizar uma fantasia linda, inovadora, muito rica, que vai surpreender pelo luxo, e quando você vê a tal da fantasia ela se resume à um penacho na cabeça, e só. Um luxo!

Das baterias:

Bateria que se preze tem nome. Furiosa, Raivosa, Poderosa, Indecorosa, Glamurosa, enfim, algum adjetivo dessa natureza que imponha poder ou luxo aos batuqueiros. No meio do desfile, no auge do sambão, vão dar um jeito de enfiar uma paradinha para em seguida fazer uma batida de funk nos tamburins. Todas farão isso!
Há, inclusive, quem denfenda a paradinha da bateria como um dos quesitos de avaliação dos jurados.

Dos Carros alegóricos:

A equipe de carnavalescos passa o ano inteiro planejando a porra do carnaval, mas vai ter um estúpido de um estagiário, que não vai atentar ao pequeno detalhe da altura dos carros, e quando estes chegarem à Avenida, um deles, provavelmente o principal, não vai conseguir entrar pois não passará pelo portal, de tão alto que é o pescoço da girafa no centro do carro. Aí vai ser aquele afobamento diante das câmeras de televisão, a velha guarda-chorando, presidente da escola em desespero, suando como o diabo dentro do seu terno branco e embaixo do chapéu Panamá, um furdunço danado para tentar desmontar o pescoço da girafa que mostra a influência da África e seus orixás no sotaque mineiro (essas equações que só carnavalescos são capazes de criar, justificar e compreender), para em seguida montar tudo novamente dentro do tempo mínimo. Vão conseguir, mas na hora de entrar na avenida, o eixo do carro vai quebrar. Uma legião de guerreiros vão sustentar o carro nos ombros e vão terminar o desfile lavados pelo próprio sangue, mas felizes por terem se sacrificado pelas suas escolas.

Enfim, seguindo estas premissas, é bem provável que você faça muito sucesso no carnaval de 2011, caso você não queira participar, pelo menos irá entendê-lo melhor.

Valeeeeeu comunidaaaaaade!!!

quarta-feira, 17 de fevereiro de 2010

Para quem tem mais de 26 anos.

Se você tem mais de vinte e seis anos de idade, certamente vai se emocionar com o vídeo abaixo.

Se você tem menos de vinte e seis anos de idade, vai brincar lá fora enquanto o titio conversa com os amigos dele, tá bom?

terça-feira, 16 de fevereiro de 2010

Para o carnaval, nada melhor do que um pouco de Heavy Metal

Tenho amigos que gostam de heavy metal.
Eu acho um saco!

Aquelas calças coladas, jaquetas de couro abertas mostrando o peito cabeludo, cabelos que parecem uma pelagem de ovelha, maquiagens, agudos intermináveis, solos de guitarra que continuam mesmo depois que o disco acaba, bateristas que acreditam que tocar bem é tocar o mais rápido que der, caretas, monstrinhos de pano de fundo, enfim, essa farofada toda que só o heavy metal é capaz de produzir.

Mas, ainda que não goste, tenho grandes amigos, pessoas que gosto muito mesmo, que são obcecados por esse tipo de música malvadinha. Então, para já entrar no clima de quarta-feira de cinzas, coloco aqui dois excelentes vídeos de heavy metal dedicado aos meus queridos amigos que curtem esse estilo musical de qualidade questionável:






yyyeeeeaaaaaahhhhhhhh!!!!!!

sexta-feira, 12 de fevereiro de 2010

Cinderela


Estava a gata borralheira a esfregar o chão da casa de sua madrasta malvada, enquanto suas irmãs banhavam-se para ir à um grande baile.
Totalmente desacreditada da vida, queria enfiar o rodinho que usava para esfregar o chão no cu do roteirista da sua vida, quando começou a sentir fortes cólicas abdominais. Não deu cinco minutos e sentiu aquele morninho entre as pernas. Ficou menstruada.

Quando nada mais parecia ter jeito, eis que surge a Fada madrinha:

_Cinderela, minha nega, negócio é o seguinte, hoje à noite você vai num festão dos diabos, o melhor baile que tem por essas redondezas, e vai botar a mulherada toda no chinelo, não vai ter pra ninguém! Vou tirar esse encardido das suas unhas, dar um jeito nesses cabelos que mais parecem um ninho de pomba, te deixarei toda depiladinha, lisinha, lisinha. Você vai vestida num Armani e calçando um sapato assinado pelo Fernando Pires, todo de cristal, uma loucura! Não vai ter pra ninguém, a macharada vai babar por você! Você vai poder escolher qual dos príncipes idiotas que vão estar lá você vai querer. Você que manda. Como hoje eu tô num bom dia, já que ontem à noite transformei um sapinho que tinha no brejo lá perto de casa num negão insaciável de dois metros de altura, vou ser ainda mais camarada com você. Deixa eu ver alguma coisa nessa casa... huuummm... vassoura não... limão também não... Já sei: a abóbora! Aquela abóbora ta bem grandinha, parruda, deve ter o quê, uns três, quatro quilos? Perfeita para o que eu quero! Para que você possa ir ao baile, vou transformar aquela abóbora num Crossfox amarelo, igual ao da Stephany, você vais arrasar! Mas você tem que ficar ligada, por que o prazo de validade dessa macumbada toda que eu tô fazendo vai acabar exatamente a meia noite. Quando der exatamente meia noite, o seu Armani volta a ser esse conjuntinho de malha da Sul Center Fashion Magazine, seu cabelo volta a ser esse ninho de pomba bêbada, suas unhas vão voltar a ser esse bagaço aí, seu sapato de cristal vai voltar a ser essa havaiana com a tira presa com um preguinho, e o seu CrossFox amarelo vai voltar a ser abóbora. Por isso, vai cedinho pra balada, curte pra caramba, dá uns pegas em quem você quiser, que meia-noite babau, acabou-se o que era doce. Dá bem dado, se for o caso, que talvez você ainda engravide de algum ricaço por lá.

Nisso, falou a delicada donzela:

_Porra, quem nasce pra pobre só se fode mesmo...

_Como assim? Vou mandar você num puta festão, com a melhor roupa, sapato, cabelos e unhas feitas, carro zero e você ainda tá reclamando?

_É que justo hoje eu fiquei menstruada, e não tenho absorvente. Como eu vou à festa?

_Bom, o melhor que eu posso fazer então, é te dar outra opção. Ao invés de te arranjar um Crossfox, eu posso transformar essa abóbora num O.B., assim o problema da tua menstruação estaria resolvido, e ainda te arranjo um troquinho para o táxi até a festa, que tal?

Cinderela pensou, pensou, ponderou e aceitou a proposta da Fada madrinha. Pegou a abóbora transformada em O.B. que resolveria suas regras e, assim, foi feliz da vida, bela e formosa para a festa.

Chegando na festa, tudo ocorreu exatamente conforme descrevera a Fada madrinha. Ela foi a sensação da festa! Todos os homens cortejaram-na noite a dentro, ela dançou, divertiu-se como nunca havia se divertido até então.
A diversão era tanta e tão plena, que Cinderela sequer viu a hora passar.

De repente, não mais que de repente, o relógio soou a primeira das doze badaladas que se seguiriam naquele minuto, e a Cinderela ainda estava na festa.

E assim que deu meia noite, acabou o feitiço e a Cinderela morreu.

quarta-feira, 10 de fevereiro de 2010

Ai que saudade da Amélia...


Esses dias vi uma foto da Gracyanne Barbosa (aquela do pagodeiro semi-encarcerado Belo, rainha da bateria de alguma escola de samba de mau gosto, cujo pescoço é maior do que o meu tronco, cuja voz está mais grave que a do Barry White), e tive pesadelo por três dias seguidos.

Saúde é bom, mas com moderação!
A malhação em excesso, como tudo o que é feito e/ou consumido em excesso, só é capaz de gerar criaturas bizarras, deformadas, desfiguradas, como a referida rainha de bateria.

Mas, enfim, estou com saudade da Amélia.
Aquela Amélia, mulher feminina, pequena, que tem uma barriguinha e um pouquinho de celulite. E que não vai entrar em crise existencial se volta e meia comer mais do que devia, e nem vai perder o sono caso o seu percentual de gordura não seja zero, ou quase isso.

Pensando nesta nova Amélia, a Amélia que se orgulha de ser mulher e das formas delicadas com que a genética humana a fez, fiz uma pequena adaptação da clássica canção de Ataulfo Alves e Mario Lago:

Ai que saudade da Amélia

Nunca vi tanta rosca transversa
Nem o supino que só você faz
Você não sabe o que é coerência
A voz tá mais grossa que a de um rapaz
Você só pensa em malhar os seus braços
Definir panturrilha é o que você quer
Ai, meu Deus, que saudade da Amélia
Aquilo sim é que era mulher

Às vezes comia churrasco ao meu lado
E ficava comigo no bar à beber
E quando me via assim barrigudo
Dizia: Meu filho, que se há de fazer

Amélia não tinha não tinha mais que eu de braço
Amélia cabia no meu abraço
Amélia não tinha não tinha mais que eu de braço
Amélia cabia no meu abraço

Às vezes comia churrasco ao meu lado
E ficava comigo no bar à beber
E quando me via assim barrigudo
Dizia: Meu filho, que se há de fazer

Amélia exalava feminilidade
Amélia é que era mulher de verdade
Amélia exalava feminilidade
Amélia é que era mulher de verdade

terça-feira, 9 de fevereiro de 2010

E eles viveram felizes para sempre! (Será?)


Ele: PORRA MULHER, QUANTAS VEZES EU JÁ TE PEDI ISSO?????

Ela: Ãhn???

Ele: Já faz sei lá quanto tempo que nós estamos juntos, eu sempre te peço para não deixar a porra da calcinha pendurada no chuveiro, e não tem jeito, você sempre deixa.

Ela: Ah, tá, a calcinha. Não sabia que ela te incomodava tanto assim.

Ele: Não sabia???? Você é mesmo muito cara de pau!!! Desde a primeira semana de casamento que eu te peço, “meu amor, não deixe a calcinha pendurada no chuveiro, ele é coletivo, não é apenas seu, lave suas roupas íntimas na máquina, como qualquer pessoa normal, ou se preferir no tanque, depois estenda no varal, MAS NÃO DEIXA A PORRA DA CALCINHA PENDURADA NA MERDA DO CHUVEIRO, CARALHO!!!!!”

Ela: Nossa, que brabeza! Isso tudo é por causa de uma calcinha? Ainda mais uma calcinha assim, tão pequenininha...

Ele: Olha aqui sua engraçadinha, papinho de sedução não. Inclusive tá na hora de você começar a repensar suas vestimentas e o tamanho das tuas lingeries, você já não tem mais dezoito aninhos, tampouco o corpo daquela época.

Ela: Olha meu querido, pra quem usa essa calça legging, camisa com manga fofa e uma boina com uma peninha do lado, você não pode falar muito.

Ele: Isso aqui é roupa de monarca, minha cara. A nobreza usa essas roupas desde muito, muito tempo. Pode pesquisar em qualquer conto de fadas!

Ela: Tudo bem, antigamente eu até admito que tinha um certo charme, mas meu querido, já faz tanto tempo...

Ele: Ué, você sempre disse que ficava louca quando me via com essa roupa.

Ela: Na verdade eu ficava louca de vontade de rir, mas não podia dizer nada, vá que você ficasse ofendido. Vocês riquinhos são muito sensíveis.

Ele: Como é que é? Vontade de rir???? Você sempre disse que gostava, que a roupa justa realçava meus músculos.

Ela: Não precisa fazer esse beicinho de choro não. Eu até gostava, sério. Era engraçado, mas até que eu achava charmosinho. Mas os tempos mudaram, meu querido. O seu corpo mudou, sabia? Antes, há muito tempo atrás, você não tinha barriga, lembra? Eu sei, faz bastante tempo, talvez você já não se lembre, mas é verdade, um dia você não teve barriga. Hoje já não dá pra dizer o mesmo.

Ele: Mas você dizia que me achava lindo naquela roupa...

Ela: Pensa bem, eu morava lá no Jardim Carandaí – Fundos, no meio do mato, longe de tudo, numa casa com sete anões depravados, e você foi a primeira oportunidade que eu tive de mudar de vida. Eu diria qualquer coisa para sair daquele cafundó!

Ele: Eu sempre pensei que você gostava daquele bosque. Inclusive você continuou indo para o Bosque durante um bom tempo depois que nos casamos.

Ela: Bosque??? Aquilo lá é um fim de mundo, um mato sem cachorro! Vai passar uma temporada em Biguaçu pra ver se você vai achar aquilo com cara de “Bosque encantado”.

Ele: E por que você continuou indo até lá então???

Ela: Bom, eu deixei amigos lá, sabe como é. Eu tinha que ir visitá-los de vez em quando, matar a saudade...

Ele: Mas você não acabou de me dizer que eram sete anões depravados?

Ela: Então, exatamente.

Ele: Como assim?

Ela: Nada não querido, deixa essa história pra lá.

Ele: Deixa pra lá não, tá pensando o quê????? Conta essa história direitinho. Você lá, amaldiçoada, dormindo para sempre depois de comer a maçã envenenada, eu te beijo, te salvo e você vem insinuar que tinha casinhos com aqueles nanicos????

Ela: Eu não estou insinuando nada, você é que está dizendo.

Ele: Mas você não está negando também!

Ela: Ô meu filho, vem cá, você é idiota mesmo, né????

Ele: O quê???

Ela: Acorda meu querido, a época do conto de fadas já passou faz tempo! Você acha que sete caras morando sozinhos vão dar abrigo para uma mulher a troco de nada, só por que são bonzinhos???

Ele: Peraí, o que você tá querendo dizer com isso???

Ela: Meu Deus do céu...

Ele: Você era pura, você estava amaldiçoada, dormindo, eu lembro bem... ELES ABUSARAM DE VOCÊ DURANTE O PERÍODO EM QUE VOCÊ FICOU AMALDIÇOADA?????

Ela: Sério, eu não acredito que estou ouvindo isso. Você acreditou mesmo naquela história de maldição?

Ele: E não era para acreditar? Eu vi você adormecida, como se estivesse morta!

Ela: Você já ouviu falar em coma alcoólico?

Ele: Como assim?

Ela: Olha, naquela casa tinham sete homens que não viam mulher faz tempo, me deram abrigo, mas em troca de alguns favorezinhos, sabe como é...

Ele: Como assim, “favorezinhos”?

Ela: Olha, eu até que gostaria de entrar em detalhes sórdidos, mas não seria muito apropriado.

Ele: Eu não sei o que dizer...

Ela: O que eu posso te dizer é que desde o dia que eu cheguei naquela casa, era festa todo dia, toda noite, muita cerveja, cigarro, e outras cositas mais.

Ele: E no dia que eu cheguei lá?

Ela: Bom, aquele dia foi o auge, foi a nossa festa de número 2000! Bebemos todas, literalmente todas. Acabamos com o estoque de bebidas de Biguaçu, pegamos cerveja até do Bar do Gasolina lá no Loteamento Dona Wanda, mas não teve cachaça que acabasse com a nossa sede, não teve anão que me desse folga...

Ele: Mas eles eram anões!

Ela: Meu amor, o fato de eles serem baixinhos, não significa necessariamente que tudo neles seja pequeno, muito pelo contrário. Exceto unzinho lá, que como não era muito privilegiado acabou deixando o grupo um tempo depois e resolveu virar técnico de futebol. Mas ele sempre foi o mais bobinho dos sete. Me lembro que eles me chamavam de “Furacão”, às vezes dá uma saudade...

Ele: Tá, mas e a tal da maçã envenenada?

Ela: Bom, era uma história infantil, tínhamos que dar uma aliviada nos detalhes impróprios para menores. Não sei se você se lembra, mas uns anos atrás a Rita Lee foi internada também, os médicos disseram no boletim que ela havia misturado Whisky com calmante e acabou entrando em coma. Depois que saiu do hospital, ela disse na entrevista coletiva que tinha comido um bolo de chocolate, tomado um wihiskyzinho, e resolveu tomar um calmante para pegar no sono, e acabou entrando em coma. Mas, segundo ela, o que fez mal mesmo foi a cereja do bolo que estava estragada. Então, foi mais ou menos isso. Eu tinha tomado cerveja, whisky, vinho, cachaça, vodka, mas não ficaria bem colocar isso numa história infantil. Então resolvemos colocar a culpa na maçã que uma velhinha tinha dado pra mim. Coitadinha, e ainda levou fama de bruxa malvada, hahahahaha...

Ele: Mas eu te acordei com um beijo...

Ela: Meu amor, você me acordou com o cheiro forte daquela colônia de barbear vagabunda que você usava, ô cheirinho triste aquele...

Ele: Por isso que você sempre me dá colônia de presente, e eu que gostava tanto daquela minha colônia machos selvagens mentolados, o comercial dizia que as mulheres cairiam aos meus pés!

Ela: É verdade, se estivessem de pé de fato elas cairiam. No meu caso, como eu estava numa ressaca desgraçada, foi só você chegar perto que o meu estômago deu a volta ao mundo em um segundo e acordei na hora! Fico enjoada só de lembrar daquele cheiro...

Ele: Mas você era pura, eu lembro, você até sangrou na nossa noite de núpcias.

Ela: HAHAHAHAHAHA, Eu não acredito que ouvi isso! Sangrei??? Se aquilo fosse um sangramento por causa do meu improvável hímen, eu teria morrido de hemorragia. Eu estava menstruada seu imbecil!

Ele: Tá, mas e o “E eles viveram felizes para sempre”?????

Ela: Aquilo ali é mensagem subliminar, na verdade dizia respeito aos sete anões, não a nós dois.

Ele: O quê?

Ela: Bom, depois que eu saí da casa deles para dar o golpe do ba... Quer dizer, para casar contigo, eles não queriam interromper as festas, afinal de contas, no dia em que você apareceu era a nossa festa de número 2000. Eles abriram uma boate no local e colocaram o nome em minha homenagem, está lá em Biguaçu até hoje!

Ele: E que nome é esse?

Ela: Furacão 2000!

segunda-feira, 8 de fevereiro de 2010

Lembranças da formatura


Um grupo de colegas de universidade decidiu comemorar os 20 anos de formatura com um jantar. Discutiram, discutiram, e acabaram decidindo pelo Café Estrela, porque as garçonetes usavam minissaias bem curtinhas e decotes bem generosos.

Dez anos depois, para comemorar os 30 anos de formatura, discutiram, discutiram, e acabaram decidindo pelo Café Estrela, porque a comida era muito boa e a seleção de vinhos valia a pena.

Para comemorar os 40 anos de formatura, discutiram, discutiram, e acabaram decidindo pelo Café Estrela, porque era um lugar tranquilo, onde poderiam jantar em paz, e o cigarro era proibido.

Para comemorar os 50 anos de formatura, discutiram, discutiram, e acabaram decidindo pelo Café Estrela, porque havia caminhos para as cadeiras de rodas e havia até um elevador.

Para comemorar os 60 anos de formatura, discutiram, discutiram, e acabaram decidindo pelo Café Estrela. Acharam que seria uma grande ideia, já que nunca tinham ido jantar lá.

sexta-feira, 5 de fevereiro de 2010

Resumão dos contos de fadas


Em épocas de internet, blogue, microblogue, não há mais tempo para perder com besteiras, coisas superficiais e desnecessárias como a leitura, por exemplo.

Logo, para resolver este problema, segue abaixo um resumão de alguns dos principais contos de fadas, deste modo quando você tiver filhos, poderá contar estas famosas histórias de uma maneira bastante sucinta e objetiva:

Rapunzel – Esta história foi a primeira tentativa da indústria da beleza – que hoje escraviza homens e mulheres pelos quatro cantos do mundo criando padrões estéticos cada vez mais difíceis de serem alcançados – de manipular as feições femininas. O que até então acreditava-se ser um conto de fadas é, na verdade, uma astuta campanha de marketing de uma grande empresa do segmento de implantes, recuperação e fortificação capilar. Rapunzel foi a primeira mulher do mundo a utilizar mega-hair, mostrando que não só as emendas dos fios de cabelo não ficavam aparentes – afinal de contas até hoje ninguém havia notado - como ainda eram extremamente resistentes, capazes até de suportar um homem escalando uma torre enorme, apoiando-se apenas nos novos cabelos da donzela. Rapunzel é, na verdade, a marca da empresa. O slogan, se eu não me engano, era algo como: Com mega-hair Rapunzel, você será capaz de levá-lo ao céu!

Chapeuzinho Vermelho – Essa história é, na verdade, a primeira versão de Lolita. Por anos acreditou-se que o vilão era o Lobo, mas não era. Ele era a grande vítima, mas por um erro de tradução e interpretação, acabou sendo marginalizado. Chapeuzinho Vermelho era uma Periguete do Rio de Janeiro que ralava até o chão em tudo que era baile funk. Durante o dia ficava na praia, bronzeando-se com um biquíni fio-dental cujos lacinhos da calcinha iam até quase a altura do sovaco, para que quando ela usasse sua mini-saia vermelha, a marquinha do biquíni ficasse aparente. Numa destas ensolaradas tardes cariocas, Chapeuzinho Vermelho conheceu um turista alemão chamado Johan Strudel Wolf, que se apresentara à ela como Sr. Wolf. A periguete, orientada pela sua agenciadora, uma velha que atendia pelo nome de vovó Jacutinga, seduziu o gringo e arrastou-o para um motel na Barra da Tijuca. Lá chegando, quando ainda estavam nas preliminares, ela rebolando para o gringo babão, foram abruptamente interrompidos por uma batida da polícia federal no motel. Sr. Wolf, que tentava em vão argumentar dizendo que a pequena havia lhe assegurado que tinha 18 anos, foi em cana. Chapeuzinho, que na verdade tinha apenas 16 anos, foi solta logo em seguida. Vovó Jacutinga ainda hoje agencia adolescentes para o mercado de prostituição infantil da Namíbia.

Peter Pan – Outra história que teve sua verdadeira versão prejudicada por erros de tradução e interpretação. O Capitão Gancho era o mocinho, um policial do BOPE que perseguia pedófilos pelos quatro cantos do mundo. Peter Pan era um ex-astro bi-color da música pop, que seduzia meninos inocentes para sua chácara encantada, onde todos poderiam fazer o que quisessem, desde que sentassem no colinho do titio, e tirassem a roupa para tirar umas fotinhos. Recentemente a Interpol prendeu Peter Pan na Tailândia, após persegui-lo durante anos e conseguir, com a ajuda de um moderníssimo programa de computador, reverter a distorção que havia feito na sua imagem, tentando camuflar seu rosto sempre que divulgava na internet as fotinhos que tirava dos meninos. O Capitão Gancho, cujo nome verdadeiro é Olavo Wagner Moura Nascimento, adotou o nome de Capitão Nascimento e, recentemente, fez relativo sucesso nas telas do cinema nacional.

Pinóquio – Mais uma jogada de marketing de uma grande indústria. Giancarlo Gepetto é o proprietário de uma das maiores indústrias de brinquedos e acessórios sexuais destinados ao público feminino. Sua indústria, a mundialmente conhecida: “Grelo Falante” , desenvolveu o primeiro boneco para uso sexual destinado às mulheres. Como se sabe, homens apreciam a maciez das mulheres, em função disso as bonecas destinadas a eles são infláveis. Sempre inovador, Gepetto detectou uma grande oportunidade, um segmento de mercado ainda não explorado pelos seus concorrentes. Após realizar uma detalhada pesquisa mercadológica, Gepetto detectou que, assim como os homens apreciam a maciez das mulheres, as mulheres apreciam a rigidez dos homens. Uma incrível demanda latente! Para atender plenamente as necessidades de suas clientes, Gepetto criou sua obra prima: “Pinóquio, o boneco de PAU!”. Como a maior parte de suas clientes eram mulheres com uma certa dificuldade de conseguir homens devido a sua aparência pouco interessante e atrativa, Gepetto desenvolveu uma tecnologia que fazia com que o membro do boneco crescesse sempre que fosse indagado e tivesse que dar uma resposta mentirosa. Por exemplo, a gorda pegava o boneco e perguntava: “Quem é a mulher mais gostosa do mundo?” Pinóquio respondia: “você!” automaticamente o membro do boneco crescia. Parece que alguns bonecos vieram com um problema de fabricação e, ao invés de crescer o membro o que crescia era o nariz, o que acarretou numa multa violenta para as organizações “Grelo Falante”, pois várias foram as mulheres que ficaram cegas após receberem uma narigada no olho. Parece que a companhia vai promover um recall dos bonecos defeituosos, mas nada foi confirmado até o momento.

A Pequena Sereia – Esse conta de fadas conta a história de Ariel Carlos Cordeiro, um travesti que não aceitava ter nascido no corpo de um homem, pois jurava ter alma de mulher. Ao contrário do que muita gente pensa, Ariel não era uma menina. Diz aí, quantas mulheres você conhece com o nome de Ariel? Os amigos do pai de Ariel ridicularizavam-no, chamando o franzino e delicado rapaz de “Cordeirinho” , em alusão ao sobrenome de sua família. Ariel, inconformado com aquela situação degradante e com a injustiça que a mãe natureza havia lhe imposto, resolveu radicalizar. Como naquela época não existia a cirurgia para mudança de sexo, e Ariel se recusava a olhar para baixo e ver aquela coisa pendurada, resolveu virar uma sereia. Fez um rabo enooooorme com seda javanesa todo bordado com lantejoulas e paetês, e passou a se apresentar para os outros como “A Pequena Sereia”. O pai, inconformado com aquela situação, expulsou o menino(a) de casa. Ariel resolveu mudar o nome para não ser mais encontrado por sua família, passou a chamar-se Edson, mas manteve o sobrenome de seu pai. Parece que virou um famoso cantor lá pelas bandas do Brasil.

A gata borralheira – Era uma vez uma modelo sem graça, pobre e burra. Um dia uma fada apareceu pra ela e disse: “você terá uma chance de sair dessa merda de vida que você leva, eu lhe colocarei no camarim de um astro do rock, e o seu tiro terá que ser certeiro. À meia noite a sua credencial de acesso ao camarim irá virar um escapulário de lata da 25 de março, o Audi que vai te levar até o show vai virar um chevette com a gasolina na reserva, e o teu vestido versace vai virar um conjuntinho de malha da Sul Center Fashion.” Bom, como ela só tinha um tiro, não desperdiçou, engravidou do tal astro do rock, ganha uma bela pensão e ainda foi agraciada com um programa noturno numa rede de televisão de baixa audiência, onde todo mundo acha engraçado o que ela fala.

Tarzan – Essa é a biografia do Serguei, aquele astro do rock que parece um maracujá de gaveta. Defensor e maior propagador do pan-sexualismo, Serguei se envolve com uma macaca graciosa e insaciável chamada Xita. Eles vivem um lindo caso de amor que culmina com a chegada de uma forasteira, a Janis Joplin, carinhosamente apelidade de Jane. Jane estranha o modo de vida do casal pouco ortodoxo, mas logo se acostuma e acaba gostando da brincadeira. Todos vivem sem ciúmes e com total desprendimento emocional, o que não significa falta de amor, pois amor é o que eles mais fazem naquela floresta. O bicho só começa a pegar (no sentido figurado, não no literal), quando Serguei resolve falar por aí que tem um caso com uma árvore. Não que elas fossem contra, mas ficam putas da cara por ele não ter apresentado a árvore para elas.

Bíblia – Esse é um dos meus livros preferidos! Possui a fórmula certa para o sucesso, é um misto de novela das oito com O Senhor dos Anéis. Algo entre Dan Brown, Paulo Coelho e Roberto Schinyashiki. Tem irmão que mata irmão, sexo, traição, intriga, mágica, violência, guerra, sangue, romance, amor, mar que se abre, morto que caminha, monstros e anjos, e uma mensagenzinha auto-ajudo ao fundo, enfim, é sucesso garantido! No começo da história, não se sabe direito quem é o pai do mocinho, mas no decorrer do livro as coisas vão sendo esclarecidas. No fim o mocinho morre tragicamente como todo bom herói, mas volta de maneira triunfal. Aí ele vai embora, mas antes olha para o espectador e diz: EU VOLTAREI! Sensacional!


THE END.

quinta-feira, 4 de fevereiro de 2010

Por favor, me ajudem!

QUERIDOS AMIGOS, a situação está difícil, tenho passado por algumas dificuldades financeiras, quebrei um molar e vou gastar uma grana do cão no dentista, logo, para conseguir me refazer, preciso me desfazer de alguns bens.

Estou vendendo 3 aparelhos de telefones celular, o caso é urgente e conto com o apoio de todos para conseguir vendê-los.

Sei que é chato falar sobre isto, mas entre amigos tudo bem...

É porque a situação está muito difícil mesmo, caso contrário não estaria vendendo estes aparelhos, afinal, são muito úteis..

São 3 aparelhos modernos, de última geração:

1º - NOKIA - 4,1 MEGA - com câmera R$100,00
2º - MOTOROLA - com câmera e vibra R$120,00
3º - NOKIA (rosa) - com jogos R$130,00

Estes valores são para pagamento à vista e em dinheiro;

Eles já estão desbloqueados e podem ser usados em qualquer operadora:

TIM, VIVO, CLARO e OI.

Se por acaso não te interessar, favor repassar para a sua lista de amigos.

Preciso vendê-los urgentemente.. Ajude-me!

Abaixo, estou mandando as fotos dos 3 celulares para que possam escolher o aparelho.

PRIMEIRO:



SEGUNDO:



TERCEIRO:



Conto com vocês!

quarta-feira, 3 de fevereiro de 2010

Ninguém está livre de um acidente de percurso. Ninguém!


Ela: Oi, entra. Entra rápido e fecha a porta.

Ele: Hum, tá com pressa é? Vem cá, vem. Vem cá que eu tô morrendo de saudade!

Ela: Calma... Espera... Pára... PÁRA!

Ele: Pára nada, vem cá que eu já não agüentava de saudades de você, minha bandidinha! Vem cá com o teu santinho vem...

Ela: É sério... Tipo, espera um pouco... Tipo, nós precisamos conversar, é sério meu, eu tô suuuuper grilada com um lance que aconteceu...

Ele: Sério nada, seja lá o que for pode esperar um pouquinho, dá cá um beijinho, dá.

Ela: PÁRA PORRA, O QUE EU PRECISO TE DIZER É SÉRIO, CARALHO!

Ele: Êita, não precisa gritar também. Você sabe que a gente tem pouco tempo pra se ver, aí eu venho pra cá e você me trata desse jeito. Olha que assim eu não volto mais!

Ela: Meu, você não tá me levando a sério, né? Tipo, nem aí pro que eu tenho pra te falar, né?

Ele: Não é isso, é que você fica muito sexy quando tá brabinha!

Ela: Eu tô grávida.

Ele: Que bonitinha, a minha baixinha grávi... O QUÊ???? GRÁVIDA????

Ela: É. Grávida. Tipo assim... Esperando um filho teu.

Ele: PUTAQUEOPARIU!!!! COMO ASSIM GRÁVIDA????

Ela: Meu, como assim: “como assim”? Quer que eu te explique como uma mulher fica grávida? Quer que eu desenhe?

Ele: Não, não pode. Isso não pode de jeito nenhum, você só pode estar brincando...

Ela: Não. Tipo, não é brincadeira meeeeiiismo.

Ele: Você não disse que não tinha perigo? Que você estava tomando pílula?

Ela: Dizer, eu disse. Mas, tipo assim, falhou. Ou esqueci, sei lá...

Ele: Meu caralho abençoado... Eu tô fodido... Como eu vou explicar isso agora?

Ela: Meu, tipo assim, sei lá... Saca?

Ele: Você vai ter que tirar. Não quero nem saber, vai ter que tirar. Você já parou pra pensar na merda que isso pode dar???? Você vai ter que tirar de qualquer jeito, não quero nem saber!

Ela: MEU, ‘CÊ TÁ MALUCO???? EU NÃO VOU TIRAR DE JEITO NENHUM!!! VOCÊ É QUE VAI TER QUE ASSUMIR!!!

Ele: Não dá, você sabe que não dá, que isso é impossível.

Ela: Meu, mas tipo assim, pra fazer deu, não deu? Agora vai ter que assumir.

Ele: Minha querida, isso é impossível! Você sabe que eu sou só um preposto d’Ele. Você era a prometida pra Ele, eu tinha só que te vigiar.

Ela: E vigiou muito bem, diga-se de passagem.

Ele: Puta que o pariu, eu não posso fazer isso. Ele não vai me perdoar nunca... Sem contar que você é menor de idade. Imagina só, eu engravidando uma menina de 16 anos... Não, nem pensar, de jeito nenhum!

Ela: Meu, usa tua criatividade pra tentar consertar essa cagada cara, mas, tipo assim, que eu não vou tirar, isso eu não vou!

Ele: Como é o nome daquele teu namoradinho?

Ela: Que namoradinho?

Ele: Aquele lá, que trabalha na carpintaria.

Ela: O Zé?

Ele: Isso, esse aí, o José. Então, você não disse que ele tá todo apaixonadinho, que disse que se pudesse casava com você hoje mesmo?

Ela: Meu, ‘cê tá maluco? Casar? Cara, casamento ninguéééém merece! Eu não quero casar meeeeeeiiiismo, eu ainda sou muito nova! Tipo, eu quero estudar, viajar, fazer intercâmbio cultural, meu, tipo, viver novas experiências...

Ele: Anhã! Bonito pra tua cara. Ter filho você quer, mas casar nem pensar!

Ela: São coisas diferentes. Um filho depois a minha mãe cuida. Ou a minha prima, a Isabel. Ela sempre quis ter um filho e não consegue engravidar nunca.

Ele: Ouvi dizer que ela tá grávida sim,

Ela: Ah, sei lá. Mas eu não sou afim desse lance de casar não.

Ele: Não me interessa o que você é ou não é afim. Vai ter que casar e pronto. Essa criança aí precisa de um pai, e você sabe que não tem a menor possibilidade de eu assumir essa criança.

Ela: Meu, mas tipo assim, o que eu casar com o Zé vai aliviar a tua barra?

Ele: Vamos fazer o seguinte. Você sabe que Ele é muito ocupado.

Ela: Tô sabendo.

Ele: Então, eu vou propor para Ele o seguinte. Vou sugerir que você se case com o Zé. Ele sabe que você mais cedo ou mais tarde ia ter que arranjar um cara por aqui para cuidar do filho Dele.

Ela: Tá, mas, tipo, até onde eu sei, Ele que faria o filho. Só que, meu, tipo assim, o filho já ta feito, dãããããã.

Ele: Eu sei disso, eu sei disso. Mas vou fazer o seguinte, vou falar para Ele que, pelo que eu tenho te acompanhado, já está na hora de você gerar o filho Dele, até por que a adolescência nos dias de hoje anda complicada, as meninas andam mais atiradinhas...

Ela: Meu, mas, tipo assim, bem que você gosta da adolescente atiradinha aqui...

Ele: Isso não vem ao caso. Isso definitivamente não vem ao caso. Aí, ele vai concordar comigo. Que de fato as adolescentes de hoje em dia não andam nada fáceis. Mas, como sempre acontece, ele vai dizer que não tem tempo, que tá muito corrido.

Ela: Sei, e daí?

Ele: E daí que eu vou falar para ele escolher alguma pessoa para fazer o serviço para ele. Vou dizer que eu abrirei um processo de seleção, inclusive.

Ela: Meu, e você acha que ele vai topar?

Ele: Não. Vai falar que não quer ficar divulgando por aí que está atrás de um reprodutor para a Sua prometida. Que a idéia até é boa, mas teria que ser alguém em quem ele pudesse confiar cegamente.

Ela: Ah, sei. Aí ele, tipo assim, vai indicar você. Até por que ele te escolheu para cuidar de mim exatamente por confiar cegamente em você.

Ele: Exatamente!

Ela: Homem é tudo trouxa meeeeeeeiiismo!

Ele: Vai ser genial, tenho certeza que ele vai acreditar nessa história!

Ela: Tá, e o Zé? Você acha que ele, tipo assim, vai topar casar com uma menina grávida de outro???

Ele: Bom, o Zé você que cuide dele, trate de inventar uma desculpa pra ele. Diz que foi um milagre, que, sei lá, foi obra do Espírito Santo, ou alguma coisa assim.

Ela: Dããããããã, Meu, você é muito trouxa meeeeeiiiismo! Se eu disser isso, todo mundo vai sacar que você tá na jogada.

Ele: Putz, pior que é verdade. Deixa eu pensar o que eu posso fazer...

Ela: Se você acha que ele vai aceitar essa tua historinha, então já dá a letra para ele fazer um lance em parceria, tipo assim, um triângulo saca?

Ele: Triângulo amoroso, eu, Ele e você?

Ela: Dãããããã, claro que não, meu. Fala que você, Ele e o meu filho, os três são um só, um lance meio santo, saca? Um triângulo santo, uma tríplice santidade, os três do além, mosqueteiros do Éden, santíssima trindade, sei lá, depois você inventa o nome.

Ele: É verdade, acho que isso pode dar certo.

Ela: Helloooo-ôul, é claro que vai dar suuuuuuper certo. Tipo, desse jeito ele não corre o menor risco de levar fama de corno depois.

Ele: É mesmo, você está certa!

Ela: Só me preocupo com a criança no futuro.

Ele: Por que?

Ela: Meu, tipo assim, esse lance pode confundir a cabeça do moleque. Pode ficar meio depressivo, um filho de três pais, pode se sentir meio deprimido. Meu, vá que ele vire um emo, já pensou?

Ele: É verdade, isso realmente pode acontecer... Bom, mas para impedir ele de virar um emo, você tem que desde cedo ficar falando que ele é o filho do Cara! Que ele é o Cara, eu falo até com Ele, para liberar uns milagrezinhos para o moleque fazer por aí. Assim ele fica felizinho e não corre o risco de acabar todo de preto com uma camiseta do Evanescense, sombra nos olhos, ouvindo Fresno no Ipod na frente do Red Café enquanto aguarda o início do show da Bloomy.

Ela: Meu, gostei da idéia. Tipo assim, tudo de bom! Tudo de bom meeeeeismo!

Ele: Bom, já que o problema já está resolvido. Vem aqui mais pertinho, vem.

Ela: Oooolha santinho, olha que eu vou, hein?! Seu safadinho!

Ele: Minha bandidinha!

terça-feira, 2 de fevereiro de 2010

Bodas de prata


Quando eu completei 25 anos de casado, introspectivo, olhei para Erotildes, minha
esposa, e disse:

- Erotildes, minha querida, 25 anos atrás nós tínhamos um fusquinha, um apartamento caindo aos pedaços, dormíamos em um sofá-cama e víamos televisão em uma TV preto
e branco de 14 polegadas. Mas, todas as noites, eu dormia com uma maravilhosa loira de 25 anos. Você, no caso.

E continuei:

- Agora nós temos uma mansão, duas Mercedes, uma cama SUPER KING SIZE e
uma TV de plasma de 50 polegadas, mas eu estou dormindo com uma senhora de
50 anos. Você, no caso. Parece-me que na minha vida, você é a única que não está evoluindo.

Erotildes, minha esposa, disse-me então, sem sequer levantar os olhos do que estava fazendo:

- Sem problemas, Aristides, meu amor (eu me chamo Aristides). Saia de casa e ache uma loira maravilhosa de 25 anos de idade que queira ficar com você. Se isso acontecer, com o maior prazer eu farei com que você, novamente, consiga viver em um apartamento caindo aos pedaços, durma em um sofá-cama e não dirija nada mais do que um fusquinha.

segunda-feira, 1 de fevereiro de 2010

Wii para mulheres

Desculpem, minhas queridíssimas leitoras, mas foi mais forte do que eu: