quarta-feira, 10 de fevereiro de 2010

Ai que saudade da Amélia...


Esses dias vi uma foto da Gracyanne Barbosa (aquela do pagodeiro semi-encarcerado Belo, rainha da bateria de alguma escola de samba de mau gosto, cujo pescoço é maior do que o meu tronco, cuja voz está mais grave que a do Barry White), e tive pesadelo por três dias seguidos.

Saúde é bom, mas com moderação!
A malhação em excesso, como tudo o que é feito e/ou consumido em excesso, só é capaz de gerar criaturas bizarras, deformadas, desfiguradas, como a referida rainha de bateria.

Mas, enfim, estou com saudade da Amélia.
Aquela Amélia, mulher feminina, pequena, que tem uma barriguinha e um pouquinho de celulite. E que não vai entrar em crise existencial se volta e meia comer mais do que devia, e nem vai perder o sono caso o seu percentual de gordura não seja zero, ou quase isso.

Pensando nesta nova Amélia, a Amélia que se orgulha de ser mulher e das formas delicadas com que a genética humana a fez, fiz uma pequena adaptação da clássica canção de Ataulfo Alves e Mario Lago:

Ai que saudade da Amélia

Nunca vi tanta rosca transversa
Nem o supino que só você faz
Você não sabe o que é coerência
A voz tá mais grossa que a de um rapaz
Você só pensa em malhar os seus braços
Definir panturrilha é o que você quer
Ai, meu Deus, que saudade da Amélia
Aquilo sim é que era mulher

Às vezes comia churrasco ao meu lado
E ficava comigo no bar à beber
E quando me via assim barrigudo
Dizia: Meu filho, que se há de fazer

Amélia não tinha não tinha mais que eu de braço
Amélia cabia no meu abraço
Amélia não tinha não tinha mais que eu de braço
Amélia cabia no meu abraço

Às vezes comia churrasco ao meu lado
E ficava comigo no bar à beber
E quando me via assim barrigudo
Dizia: Meu filho, que se há de fazer

Amélia exalava feminilidade
Amélia é que era mulher de verdade
Amélia exalava feminilidade
Amélia é que era mulher de verdade

3 comentários:

Daca disse...

Cara, tu é o maior poetero do Kobrasol..

Lamaringoni disse...

inda estou esperando nosso livro!

Ronnie disse...

O que uma cerveja do Cristovão não faz heim...