segunda-feira, 1 de novembro de 2010

O repelente


Zzzzzzzuuuuiiiimmm...

Zzzzzuuiimmm...

Puta que o pariu...

Zzzzzuuuuuuuuiiiiimmmm...

Mosquito chato do caralho...

Zzzzzzuuuuuuuuiiiiiiiimmmmmmmm...

Cacete, odeio o verão...

ZZZZZZZZUUUUUUUUUUUIIIIIIIIIMMMMMMMM...

Que merda...

Zzzzuuuuuuiiiimmmm...

Meu cara...

PORRA! LEVANTA, VAI LÁ NA SALA E PEGA A PORRA DO REPELENTE, MAS VÊ SE ME DEIXA DORMIR!

Como é que é?

Eu tô dormindo, caso você ainda não tenha percebido.

Precisa falar desse jeito?

Precisa me acordar por causa da porra de um mosquito?

Ei, eu não queria te acordar, só estava incomodado com o mosquito, só isso.

Ah, não queria me acordar, e fica se revirando a cada meio segundo, resmungando igual a uma velha.

Peralá, vamos com calma.

Vamos com calma é o cacete! Eu tenho que trabalhar amanhã cedo, se você vai tirar o seu dia de folga, parabéns pra você, eu tenho que trabalhar.

Eu pedi para você tirar o dia de folga também, para nós passarmos o dia juntos.

Eu sou responsável, meu caro. Se para você qualquer desculpinha é motivo para matar o serviço, comigo as coisas não funcionam desse jeito.

Qualquer desculpinha?

É isso mesmo, qualquer desculpinha!

Você tá na TPM?

O quê?

TPM, você tá na TPM?

TPM É O CARALHO! TPM É A PUTA QUE TE PARIU! TPM É A PORRA DO MOSQUITO QUE DEVIA TER TE DEVORADO VIVO, SEU BOSTA!

Ei, o que é isso, amadinha? Nós nunca brigamos, nunca levantamos a voz um para o outro, por que você está falando comigo desse jeito?

AMADINHA É O TEU CU!

Que é isso, amadinha?

PARA DE ME CHAMAR DE AMADINHA, SEU BOSTA!

Mas você sempre gostou que eu te chamasse de amadinha...

VOCÊ ALGUMA VEZ SE DEU O TRABALHO DE ME PERGUNTAR SE EU GOSTO DE SER CHAMADA ASSIM? EU ODEIO SER CHAMADA ASSIM, ODEIO! FICO COM VERGONHA QUANDO VOCÊ COMEÇA COM ESSA PALHAÇADINHA DE “AMADINHA”, “BIZUZINHA”, “NENÊZINHA” E O CARALHO! VÊ SE CRESCE, PORRA, ISSO AÍ É COISA PARA CASALZINHO DE NAMORADO, CACETE!

Eu achei que tínhamos um trato de sermos sempre namorados...

VÁ A MERDA! PORRA, AMADINHA? AMADINHA É O CARALHO!

Eu não estou te reconhecendo, isso tudo por causa de um mosquito? Nós nunca nos ofendemos, nunca levantamos a voz um para o outro, sempre concordamos que isso era inadmissível, falta de respeito. Sempre dissemos que se um dia um de nós levantasse a voz para o outro, se um ofendesse o outro, seria o nosso fim, seria o sinal claro que já tínhamos vivido tudo o que tínhamos para viver juntos.

Nossa, estou com o coração partido...

Essa não foi a mulher com quem eu casei.

Eu também não esperava ter casado com um bosta que fica me torrando a paciência, me acordando, só por causa da porra de um mosquito.

Um mosquito, tudo isso por causa de um mosquito...

Bom, então faça assim, levanta a porra dessa bunda que não gosta de mosquito, vá até a porra da sala, abra a porra da gaveta e pegue a porra do repelente. E vê se me deixa dormir, que amanhã eu tenho trabalho, porra!

Pode deixar, vou lá pegar “a porra” do repelente para você.

Eu não me importo com a porra do mosquito. Pegue para você, eu só quero dormir.

Levantou-se da cama, saiu do quarto, foi tateando no escuro, procurando a gaveta do armário da sala, quando ouviu um barulho de talher caindo. Acendeu a luz um tanto ressabiado...

PARABÉNS, PRA VOCÊ, NESSA DATA QUERIDA...

Amigos, pai, mãe, irmãos, sogra, sogro, cunhados, todo mundo ao redor da mesa da sala. Bolo, docinhos, salgadinhos, refrigerante, balões, tudo o que pede uma bela festa de aniversário.

Olhou para trás, a esposa veio sorrindo com um pacote enorme nos braços, o sorriso largo nos lábios de quem conseguiu surpreender aquele que sempre descobria suas surpresas antes de terem sido executadas.

Feliz aniversário, amadinho!

Amadinho?

Que é isso, bizuzinho? Era só uma brincadeira.

Brincadeira? Me chamar de “bosta”, era uma brincadeira?

Eu achei que poderia ser meio forte, mas a ideia foi da sua mãe, ela disse que se eu não fosse muito convincente, agressiva até, você descobriria a nossa surpresa.

Nós combinamos de nunca nos ofendermos, de nunca faltarmos o respeito um com o outro.

Mas era brincadeira, amadinho...

Com certas coisas não se brinca.

Meu nenêzinho, deixa disso. Eu até peguei folga amanhã para podermos passar o seu dia de aniversário bem juntinhos.

Com certas coisas não se brinca, casamento é coisa séria.

Ei, olha só, tá todo mundo aqui, eles são a prova de que era tudo uma brincadeira, eu jamais falaria com você daquele jeito, era só uma brincadeira.

Nem de brincadeira eu falaria com você daquele jeito.

Mas meu amor, era só para te fazer uma surpresa...

Olha, chega de conversa, tá bom?

O que você quer dizer com isso, amadinho?

Tá aqui o repelente, adeus.

9 comentários:

Daca disse...

é o mosquito revelando quem é o cabeça do casal...

Shuzy disse...

Pra vc ver como tá feia a coisa ¬¬
Nem a Heineken escapa!

Bruna Rafaella disse...

Amadinha também é foda né?
acho que nem eu aguentaria isso!!
hahahhahahaa...

Thom disse...

Ahuahuauahah
Muito bom

Ronnie disse...

Ri muito. Amadinha... Essa sensibilidade de parede de salpico...

Rodrigão Invadindo a Cozinha disse...

Dai cara a maminha esta pronta vai para o ar esta semana ainda!!!
Abs

so sad disse...

apelidos no casamento são sempre ridiculos! rs

Rodrigão Invadindo a Cozinha disse...

Olha o link amigo!!!

http://rodrigaoinvadindoacozinha.blogspot.com/2010/11/maminha-don-mattos.html

A Noiva Cadáver disse...

Que sensivel este moço, nem tudo é sagrado. Eu acho...