quarta-feira, 15 de junho de 2011

A Outra


E daí? E daí? E daí?

Mil vezes: e daí?

E daí que ela te mandou uma cesta linda, enorme, com cravos vermelhos, com uma garrafa de vinho, com taças, com chocolates, e daí? Me responde, e daí?

E daí que você ficou desfilando pelos corredores da empresa com aquela cesta medonha, só para que os outros vissem você com ela nos braços e pensassem que você é o rei das mulheres, o fodão, por que só um cara muito, muito bom para fazer uma mulher lhe mandar flores no meio da tarde, no trabalho. E daí?

Me responde, e daí?

Isso não faz dela mulher pra você, mulher a tua altura!

Um vinho vagabundo! Ela nem conhece os seus gostos, ela nem sabe escolher vinhos, o que você pode querer com uma mulher dessas? O que você vai querer com uma mulher que te manda uma cesta com um vinho da serra gaúcha, um vinho doce, um vinho que mal serve para fazer sagu?

Ela não sabe que você é casado?

Você não disse pra ela?

Deveria ter dito!

Você é casado! Você tem uma mulher que te espera todos os dias em casa, de banho tomado e comida na mesa, uma mulher que é louca por você, que aceita a sua falta de cuidado, a sua falta de carinho, as suas bebedeiras, as suas aventuras, os seus casinhos, faz que não vê, finge que acredita que você estava trabalhando quando chega tarde em casa, finge que não percebeu o perfume da outra no teu pescoço.

E daí que os cravos te surpreenderam? Isso não faz dela mulher pra você!

Você é casado, você deveria ter esfregado isso na cara dela!

Duvido que ela desse bola pra você se soubesse que você é casado!

Ela deve ser uma dessas putinhas metidas à santa, que faz cara de menina comportada, mas que adora ficar se esfregando nos homens das outras. Mas ela não é putinha coisa nenhuma!

Eu sou a tua putinha!

Eu, só eu!

Não é assim que você gosta de me chamar?

Então, eu sou a tua putinha, ela nunca vai fazer por você o que eu faço!

Eu aceito qualquer coisa para ver você feliz, realizado, extasiado.

Mulher nenhuma se sujeitaria as coisas que eu me sujeito só para te ver sorrir no final!

Aonde você vai?

Volte aqui, você não pode ir embora!

Você não pode ir embora!

Você não pode me deixar, depois de todas as coisas que eu fiz por você, depois de todas as baixezas a que eu me sujeitei só para te ver sorrir no final, você não tem esse direito!

Volte aqui, por favor, não vá embora, eu alugo um helicóptero e faço chover dez toneladas de cravos vermelhos sobre o teu trabalho, eu compro uma adega inteira de vinhos franceses, de vinhos espanhóis, italianos, portugueses. Carmenere, eu sei que você gosta. Compro Pinot Noir, prometo!

Não vá embora, por favor...

Você é casado, você devia ter dito isso a ela, isso não é direito, você não pode ir embora...

Ela jamais te aceitaria se soubesse que você é casado...

Eu aceito!

Eu sou a tua amante, não ela!

Volte aqui, não vá embora, por favor...

Volte aqui...

Não vá embora...

Por favor...

5 comentários:

Shuzy disse...

Que triste, Don!
:P

Karla Koerich disse...

Já fui amante. Já fui traída. Não valeu a pena eu ter sido amante, pois me traiu a pessoa que antes traia para ficar comigo.
Teu texto me fez sentir péssima, mas só pelo tempo de eu me lembrar que consegui me livrar disso, dessa vez pra sempre.
Não vou fingir que não vi, nem ficar calada.
Que cada um assuma as cagadas que faz. Eu assumi as minhas, e as consequências, finalmente serão doces.

Nayana. disse...

ótimo texto, péssima ideia a dela...

Karoliny S. Coelho disse...

Maravilhoso!

Bruna Rafaella disse...

Adorei!!!!!
As mulheres(algumas ou a maioria) são sempre assim, pensam com a razão e depois com o coração, cometem loucuras, fazem declarações exageradas, correm atrás, destroem suas vidas, joga seu amor própio no lixo e no final?
o final é o gosto amargo do passado...
Essa música da Elza Soares também caiu muito bem, boa escolha, sensacional texto!

Beijos!!!!!!!!!