segunda-feira, 19 de julho de 2010

Mulher de Malandro


Ah, minha preta, faz assim não.

Tu sabe que meu coração é teu, as outras são coisa boba, chameguinho só de farra, negocinho sem importância pra aliviar o estresse. É sério, neguinha, não é só rico que tem estresse não, malandro também sofre disso.

Ô nega, por que que tu não abre a porta?

Já faz três dias que eu não durmo nem como direito só pensando em tu.

Ô nega, por que tu não me quer de volta?

Eu já falei quem quis foi ela, a culpa é dela e se eu fiz foi por que assim Deus quis.

Grita não, minha morena, grita não.

Ô nega, por que que tu não fala baixo?

Eu tô tão perto e não sou surdo, e é só por essas que eu acabo voltando pro bar.

Vamo comigo lá no Bigode, vem sambar pra mim daquele jeitinho que só tu sabe, minha morena, devagarinho, eu e tu, vem, minha neguinha, vem com teu nego, vem...

Tá faltando homem no mundo, sabia não?

Tu devia é de estar orgulhosa pelo teu homem se preocupar em não deixar tanta mulher sem assistência.

É um perigo mulher andar por aí sem assistência, sabia não?

Eu só tô pensando no teu bem, minha preta. Quero deixar o mundo um lugar melhor pra tu viver, minha preta.

Escute só, neguinha, escute o cavaco lá longe. É o nosso samba, tá lembrada?

Ah, não é esse?

Bom, então vamos fazer desse o samba da nossa reconciliação, que tu acha?

Por que é melhor eu voltar mais tarde?

Mais tarde nada, minha preta, abre a porta aí que eu quero entrar agora!

Abre essa porta agora!

Isso neguinha, abre a porta pro teu preto...

Dá cá um beijinho e depois serve a janta pro teu preto, que eu tô com uma fome dos diabos.

Nega, por que tu tá suada desse jeito?

Que cheiro é esse no teu corpo, Jurema?

Por que tu tá só de calcinha, Jurema?

Nada disso, sai da minha frente agora que eu vou entrar no quarto!

Anda, Jurema, sai da minha frente que se não eu mando a Maria da Penha pra puta que lhe pariu e te enfio a mão nessa cara sem vergonha!

SAI DA MINHA FRENTE, PORRA, SAI QUE EU TÔ MANDANDO, EU VOU ENTRAR AGORA NESSA MERDA DESSE QUAR...

TIÃO?

Ô meu parceiro, tu por aqui?

Pelado, e na minha cama?

Te atendeu direitinho, a minha morena?

Fica com essa cara de medo não, meu compadre, fica com medo não.

Cala a boca, Jurema, pára de chorar que eu não tô falando contigo. Tô falando aqui com o meu compadre Tião.

É verdade, Tião, tu tem razão, já sangrei malandro por menos.

Mas fica preocupado não, Tião, que não vou deixar nada faltar pros teus filhos, palavra de honra. Cuido da tua mulher, e depois te garanto que na minha banca sempre vai ter lugar pros teus moleque buscar apontamento no asfalto e trazer pra mim.

Não, Tião, não chora que é feio.

CALA A BOCA, JUREMA!

Eu até que te perdôo, minha navalha é que não tem coração, fria como teu suor de agora, seu filho de uma puta!

Que merda, esse lençol era novinho, agora tá aí todo emporcalhado de tu, Tião.

Que que tu quer com essa faca, Jurema?

Larga essa merda e fica quieta!

CALA A BOCA JUR...

Jurema, tu me fod...

Jurem...

Caral...

...

Pára de chorar, Tião, pára de chorar que é feio, não escutasse o que esse vagabundo falou não?

PÁRA DE CHORAR, TIÃO!

Faz assim, me enfia um soco no olho que a Maria da Penha livra a minha cara.

ANDA PORRA, PÁRA DE CHORAR E ME ENFIA UM SOCO NA CARA!

Puta merda Tião, pára de chorar e bate como homem, diabo.

PORRA TIÃO, NÃO PRECISAVA EXAGERAR TAMBÉM, QUEBRASSE MEU DENTE, SEU FILHO DUMA PUTA!

Merda...

PÁRA DE CHORAR, TIÃO, CARALHO!

Tá ficando inchado?

Bom! Precisa ficar bem inchado.

Negócio é o seguinte, quando tu sair daqui, passa no orelhão e liga pros meganha, diz que ouviu uma briga no meu barraco, som de coisa quebrando, gritaria, essas merda toda.

Depois tu volta direto pra tua casa, entendeu bem? Direto pra casa!

A partir de amanhã tu vai tratar bem direitinho a tua mulher, tá me entendendo? Bem direitinho! Se tu se meter com alguma piranha por aí, já sabe o que vai te acontecer. Olha bem pra esse safado aí no chão, todo furado, pra não esquecer o que vai te acontecer se tu se meter a engraçadinho. Tu não vai te meter com mulher nenhuma, hein vagabundo?!

Só comigo, claro.

É um perigo mulher andar por aí sem assistência, sabia não?

Sexta que vem, quando tudo tiver mais calmo e o defunto já estiver devidamente enterrado e ardendo no quinto dos inferno, tu vai voltar aqui, de banho tomado, cherosinho e muito bem disposto, entendeu bem?

Muito bem disposto que eu não quero essa merda meia bomba, entendeu bem?

Muito bem disposto!

Me alcança o cigarro.

Pára de chorar e me alcança o cigarro, do lado da cama.

PÁRA DE CHORAR, CACETE!

Vou ali colocar uma roupa, tu vai lá na cozinha, desce uma cerveja pra mim do congelador e prepara alguma coisa pro meu jantar, que eu tô com uma fome dos diabos.

Um comentário:

Diana Walkiria disse...

Muito legal, adorei!
Diana