segunda-feira, 8 de março de 2010

Á, Á, Á, PAU NO CU DO AVATAR!


Á,Á,Á PAU NO CU DO AVATAR!

Óquêi, eu deveria – e, mais do que isso, queria – ter escrito um belo texto em homenagem às mulheres, ao dia merecidamente dedicado à todas elas. Mas tudo o que fiz ficou muito brega, e não foi um brega legal (como o Wando, por exemplo), foi um brega mauzinho, meio Fresno. Logo, desisto. Fica só o registro de que eu não esqueci, tentei, mas não consegui. Parabéns a todas vocês, vocês são importantíssimas, aquela coisa toda.

Feitas as considerações iniciais, vamos ao que interessa.
Eu gosto muito de cinema, muito mesmo. Tenho vários filmes, assisto pelo menos quatro filmes por semana (às quintas-feiras a Vídeoteca aluga tudo pela metade do preço, sendo que a devolução fica para segunda, ou seja, quatro acervinhos por 10 pila, 4 dias em casa, côzamaxquirida).

Mas eis que um belo dia fui ao cinema, e como os filmes que me interessavam demorariam muito para começar, acabei entrando num filme cujo cartaz ostentava uns monstrinhos azuis, pensei comigo: “Bom, deve ser uma merda, filmes de monstrinhos normalmente são uma merda, mas pelo menos é 3D, no mínimo divertido vai ser!”, e lá fui eu assistir Avatar. De fato o filme é uma bosta, mas nem pelo entretenimento do 3D, serviu.

A história é clichê pra cacete. O que poderia ser contado em meia hora, se arrasta por intermináveis três horas. Nós, seres-humanos perversos querendo consumir os recursos naturais de bichinhos azuis que vivem na natureza em perfeita harmonia com ela, mas que não são os Smurfs. Alguns dos seres-humanos são puros de coração e se unem aos monstrinhos azuis para combater os humanos de coração gelado. É óbvio que um humano vai se apaixonar por uma monstrinha azul, e eles ficarão juntos no final. Dragões alados servirão de montaria, atacarão os humanos malvados, que por sua vez serão comandados por um general fortão com cara de mau e com perfil psicológico parecido com o do Muricy Ramalho, só que não tão mal humorado.

À exceção dos efeitos especiais, nada, absolutamente nada em Avatar chama atenção. Tudo nele é óbvio, dos personagens às atuações dos atores e atrizes, do enredo aos diálogos, dos romances às batalhas, tudo é tão previsível que se eu fosse colocado numa das cenas no lugar do personagem principal sem nunca ter lido o texto, saberia exatamente o que dizer. A diferença ficaria por conta das pernas, eu ando e tenho as pernas finas, ele vive numa cadeira de rodas e tem as pernas saradas.

Fiquei abismado quando soube que Avatar era o favorito para ganhar todos os Oscar’s de 2010, incluindo melhor filme. Não posso crer que a sétima arte está tão desacreditada, que um filminho meia boca e previsível concorre ao Oscar de melhor filme só por que foi campeão de bilheteria, conseqüência dos efeitos especiais. Se eu quiser ver um filme por causa dos efeitos especiais, eu assisto Shrek, que é 100% efeito especial, e o roteiro é bem melhor, o romance é bem melhor e até as batalhas são bem melhores. E pensar que em 1993 a batalha pelo Oscar de melhor filme travou-se entre "Philadelphia", "A lista de Schindler" e "Em nome do Pai". Três filmaços que chega a ser impossível dizer qual é melhor, deveria ser empate técnico.

Não assisti ao filme que levou a principal estatueta deste ano, mas fiquei muito feliz. Estava torcendo para qualquer um dos outros nove indicados, comemorava como se fosse gol do Figueira cada estatueta que o Avatar havia sido indicado, e não levava.

Enfim, Avatar já começa errado na cor que escolheu: azul. Vestiu azul, tem mais é que se foder!


(exceção feita ao meu irmão, meu sobrinho, Rato, Daca e Ronnie)

5 comentários:

Daca disse...

ahhhhhhhh bommmmmmmm

Ronnie disse...

Heyyy Cameron, pega no Bigelow!!!

Don Mattos disse...

PUTA QUE O PARIU, RONNIE, ESSE DEVIA SER O TÍTULO DO POST, HAHAHAHAHA!!!

Anônimo disse...

Avatar é uma bosta mesmo. Eu também assisti e só não saí na metade porque tinha desembolçado uma boa grana pra assistir essa porcaria em 3D, pelo mesmo motivo que tu, achei que por ser 3D seria pelo menos divertido, mas nem isso o filme foi. O que me impressiona são as pessoas que vêm falar comigo a respeito dele dizendo que é uma maravilha, perfeito, maravilhoso. Só se for pelos efeito especiais, e olha que nem por isso merece tanto prestígio .
Como diria um crítico de porra nenhuma, grupo que me enquadro, "achei o final decepcionante".

jean mafra em minúsculas disse...

ahaahahahahahahaahahahaha