terça-feira, 4 de maio de 2010

Geração Smirnoff Ice


Este texto é uma reedição de um outro sob o mesmo título, publicado há quatro anos no site Tô Puto!

Sonho em ser pai, mas cada vez que penso no assunto várias interrogações me perseguem: religião, escola, time de futebol, horário para ver televisão, quais programas ele(a) poderá assistir, come MacDonalds, não come MacDonalds, enfim... muitos senões. Todavia, o que mais me desanima da idéia de ter um filho, é imaginar que um dia ele será adolescente.

Se os seres humanos passassem direto da infância – aquela fase em que são cheirosinhos, rechonchudinhos, engraçadinhos – para idade adulta – aquela fase em que se consegue ter um diálogo no mínimo razoável sobre as questões de maiores relevâncias na vida (sexo, literatura, música, vinho, massas, cerveja e futebol), eu teria uma dúzia de filhos. O problema é que, invariavelmente, eles serão adolescentes.

Em algum momento da sua vida aquela bolinha de carne carinhosa e bonitinha será abduzida por seres extraterrenos que colocarão no seu lugar um ser sombrio, macabro e inconformado com qualquer coisa que aparecer na frente dele. Será contra tudo aquilo que você defender. Serão detentores da verdade. Saberão mais do que você. Beberão mais do que você! (Só que escondidos).

Entretanto, existem algumas diferenças entre a adolescência atual e a de alguns anos atrás.
Antigamente (leia-se, na minha adolescência), quem era dark, gótico ou afins, era de verdade. Eram brancos como velas por que se recusavam a sair no sol. Hoje existe maquiagem que esconde até a marquinha do biquíni.

Carro rebaixado, rodão, vidro fumê, era coisa de playboy. Na sonzera do seu gol GTI 1.8 só tocava “poperô”: Ace of Base, Double You, Corona (a cantora, não o chuveiro: “the summer is magic, is magic, ô, ô, ô, the summer is magic).
Hoje em dia tem carro rebaixado com néon no assoalho tocando de tudo: dance, trance, pagode, funk, sertanejo, rock! Isso mesmo, até rock está tocando! Quem ouvia rock não tinha carro! Andava a pé até o All Star furar. E não era por que o All Star estava na moda, é por que era o tênis mais barato que tinha para vender no mercado público, depois do kichute.

Antigamente o punk tinha calça rasgada porque só tinha uma calça no guarda roupa, e ela era usada até se desmanchar. Hoje o cara entra mauricinho por uma porta do Shopping, e na outra sai transformado: piercing, moicano descolorido, calça rasgada, tatuagem, tudo que tem direito.

Hoje em dia as tribos não se encontram mais nas ruas e botecos, como acontecia antigamente. Elas se encontram no orkut, no msn, no twitter.

Tem a tribo dos “emos”, com seus cabelos lambidos, seus olhos com sombra preta e seu sofrimento sem fim. Adoro ver fotos desses caras. A cabeça baixa, o olhar deprê e a frase: “A noite não termina quando o anjo da solidão invade a nossa alma. Depois... só dor e desespero.”. Algo tão profundo e sofrido que nem o Renato Russo seria capaz de escrever.

Tem a tribo das patys/surfistinhas. Todas tiram fotos fazendo biquinho. Todas usam sapato plataforma, blusa três números a menos do que o seu (para criar a falsa impressão de que os seus púberes seios que mal começaram a nascer já são comparáveis aos de uma Fafá de Belém), 15843 pulseiras de prata em cada braço (o que me leva crer em uma forte descendência cigana), calça de ginástica vestida a vácuo enfiada no útero e, na legenda da foto o poeta da nova geração: Chorão! “Ela não é do tipo que se entrega na primeira e etc, etc, etc”.

Tem a tribo dos cyber-manos. Boa parte dos adolescentes orkutizados do sexo masculino, tende a tirar fotos com um boné torto na cabeça, estampado, de aba reta, óculos escuros e uma corrente de prata de oito quilos no pescoço. No meu tempo (um dos maiores indícios que estamos ficando velhos e quando começamos a falar com certa freqüência a frase: “no meu tempo...”) se um camarada aparecesse com o boné torto, coitado... HÁÁÁÁ, SERGINHO MALLANDRO, GLU, GLU, GLU. E pelo resto da adolescência carregaria a alcunha de Serginho Malandro. No meu tempo, se um cara aparecesse com o cabelo para fora do boné, parecendo uma moita por cima das orelhas, tal qual o fazem os garotos de hoje em dia: BOZO! VOCÊ TÁ FELIZ? ENTÃO DÁ UM BEIJO NO MEU NARIZ! Já ia me esquecendo da legenda: eH nOi$!!! sOh a dIreToRiaH!!! mExEu cUs irMauM AgoRaH GueNtAh!

E a onda agora são os adolescentes coloridos, maquiados, com superpenteados. Antigamente adolescentes envolviam-se em alguma espécie de movimente estudantil para protestar contra qualquer coisa. Hoje a principal preocupação é ter certeza que a franja está corretamente posicionada por cima de um dos olhos, e que o restante do cabelo está totalmente desfigurado, à base de muito mousse capilar.

Os tempos estão mudando.
Mas eu só me dei conta disso de verdade, quando ouvi dois carinhas conversando um dia desses:

_Tipo, pô cara, tá ligado, tipo, tomei maior ferro ontem, tá ligado?
_Só...
_Tipo, fui lá na parada, tá ligado, e tipo, tomei todas mano, tá ligado?
_Só...
_Tipo, na real, pode botar fé brôw, enchi a cara forte, só simrnoff ice a noite inteira!
_Só...

CACETE!!!!!
SMIRNOFF ICE ERA BEBIDA DE MENINA! Moleque que era macho tomava porre com vinho castelinho, aquele que vem em garrafa de plástico e que pode ser feito em casa (basta misturar tang de uva com álcool de cozinha. Líquido, o em gel não fica tão bom), ouvindo Geração Coca-Cola no toca-fitas.

Renato Russo e Cazuza eram os formadores de opinião.
Hoje é Smirnoff Ice com banda Restart, Cine e Hori no Iphone.

O Fiuk é o formador de opinião!

Acho que não vou ter filhos...

9 comentários:

Nayana disse...

THIS IS THE RITHYM OF THE NIGHT!!!

um brinde [de castelinho] aos velhos de nascença...

Clarice disse...

Adolescência é complicado mesmo. Mas tenho certeza de que quando se tem uma criança em casa os sorrisos dados e as pequenas conquistas do dia-a-dia durante infância e os grandes acontecimentos da vida adulta compensam qualquer aborrecimento gerado por um adolescente. E mesmo caóticos os adolescentes são maravilhosos! É a fase mais chata, mas que deixa as lembranças mais marcantes e algo pelo qual, na vida adulta, nos faz ter motivos para rirmos de nós mesmos.

Deve ser horrível morrer sem se ter um filho sequer, sem saber como seria um serzinho que veio de ti e que deve a ti a própria vida.

Como diria Vinicius:
"Filhos...Filhos?
Melhor não tê-los!
Mas se não os temos
Como sabê-lo?
...
Que coisa louca
Que coisa linda
Que os filhos são!"

Nunca saber o que é um filho é uma coisa que ninguém deveria saber. Ninguém deveria se privar de ter um filho. Não desejo isso a ninguém! Nunca os tive, mas tenho certeza de que são a melhor coisa do mundo, mesmo quando adolescentes!

Lamaringoni disse...

vc já viu o filme no youtube, da meninada revoltada com o show do restart que foi cancelado?

"é uma puta falta de sacanagem"!

Josué Mattos disse...

Na adolescência você teve franjão também.. e usava umas blusas a la Kurt Cobain, você foi grunje, lembra?

E me diga uma coisa, qual foi a melhor fase para você? Hoje ou quando ficava brigando para garantir que você sentaria ao lado do Jô Soares quando ele entrevistasse a "5 de Espadas"...

Os amasssos nas construções e a roupa de galaque era o uniforme do Corinthians, tudo isso são lembranças tão legais, que seria muito triste se não as pessoas não passassem pela adolescência..

Descobrir, imitar quem admiramos, sofrer, amar deseperadamente e duas horas depois esquecer.. é tão legal.. podia ser é mais longa a adolescência..

FIUK, Luan Santana, e o que mais a gurizada curte, faz bem para eles, e o que eu farei é aprender a gostar destas músicas para fazer parte desta fase do meu filho..

Ser dono da verdade, não é uma virtude só dos adolescentes, quando passamos da fase, disfarçamos mais, mas nossa verdade é sempre absoluta em relação à verdade alheia... só temos pudor em expor..

É muito bom ser adolescente...

Anônimo disse...

Um brinde de Smirnoff Ice a todos os politicamente corretos.

Clarice disse...

Mattos, tens razão quando falas das atuais influências musicais e intelectuais. Isso é realmente preocupante, concordo em gênero, número e grau com relação a esses pontos. Compartilho da mesma preocupação. Agora o jeito de vestir é o de menos, eu acho até mais bonito. Quando eu era adolescente só usavam preto, incluindo eu, coisa mais triste. Hoje eles são mais divertidos, de bem com a vida, deixam as ruas mais coloridas (nos dois sentidos). Talvez sejam assim felizes tamanha a sua alienação, mas fazer o que? O jeito é ter filhos e tentar educá-los da melhor maneira possível. Para que apreciem músicas dignas de interesse, ídolos realmente merecedores de admiração, sejam alegres, honestos, éticos e que se vistam como queiram. E outra, se mesmo ouvindo "rebolation" e essa banda aí, "start", eles se tornanem adultos responsáveis e éticos, qual o problema? Muitos adolescentes da déc. de 70 tornaram-se políticos indignos de qualquer espécie de respeito, mesmo estando na explosão de cultura e consciência que foi essa década.

Manuela Penzlien Medeiros disse...

Eu já desisti de ter filhos a muito tempo. Não pela fase atual dos adolescentes que, por sinal, talvez quando os futuros filhos (esses que decidimos não ter)estiverem nessa fase, a coisa será pior ainda, mas porque me dei conta que hoje em dia, as mulheres tem depressão, são bipolares (não só na fase da TPM)etc., o que fará com que enlouqueçam de vez ao ver seus filhos que foram criados e educados com tanto carinho,transformarem-se em algo bizarro sem propósito definido seguindo uma vertente de pensamentos fúteis ou sem sentido algum. Mulheres já são doidas por natureza, hoje em dia estão mais neuroticas do que nunca, imagine então com um filho de 15 anos perturbando seus ouvidos com músicas horríveis, modismos ridículos e idéias desprovidas de algo que seja no mínimo "normal", mesmo que este "normal" seja algo meio estranhinho. Credo, só de pensar já da até medo. Acho que vou marcar horário no salão e caso não consiga, marcarei então uma consulta com meu psiquiatra pois é melhor prevenir que remediar. Não me refiro a camisinha. Falo de terapia antecipada(pânico da gestação) hahaha!

Josué Mattos disse...

Esse povo aí tá velho mesmo... esqueceram que foram adolescentes.. e que seus pais diziam este monte de bobagens também...

Anônimo disse...

Só sei de uma coisa...

Quanto mais envelhecemos mais caretas ficamos...
e nossas falas continuaram as mesmas " no meu tempo não era assim, era melhor"